Entrevista do Super Junior para a Forbes

Postado por Ju-Ninha no dia 22/07/18 em Entrevistas

A Forbes, famosa e influente revista americana que apresenta artigos e reportagens originais sobre finanças, indústria, investimento e marketing, realizou uma entrevista com o Super Junior apontando o sucesso e legado do grupo para o K-pop.

A entrevista de Tamar Herman, que é colunista de K-pop da Billboard e contribuidora da Forbes, foi publicada em 15 de julho de 2018 e foi realizada durante a participação do Super Junior na “KCON 2018 NY” em 23 e 24 de junho.

Impulso do Super Junior na América Latina continua o legado do grupo como inovadores da indústria

A boy band coreana Super Junior não está realmente incomodada pelo fato de que 13 anos se passaram desde que eles lançaram seu primeiro single “Twins (Knock Out)” em 2005, ou que o “Junior” não se aplica aos membros agora que todos eles estão nos seus 30 anos.

Eles dizem que a passagem do tempo não importa para o grupo, pelo menos não quando se trata de levar sua carreira a novos patamares e novos mercados. De acordo com o líder LeeTeuk (Park JungSoo), eles passaram grande parte de sua longa carreira descobrindo “maneiras diferentes de alcançar diferentes fãs através de diferentes projetos”, e eles não planejam parar tão cedo. Foi assim que este ano eles lideraram a entrada da indústria musical coreana na sua mais nova fronteira: A América Latina.

Em abril, o grupo, que subiu aos escalões superiores da cena K-pop em 2009 com sua música “Sorry Sorry”, lançou “Lo Siento”, uma faixa trilíngüe com a cantora pop-latina Leslie Grace e produção do duo irmão-DJ Play-N-Skillz. Apresentada em coreano, inglês e espanhol, a música é uma das primeiras colaborações transculturais verdadeiras do K-pop; ela não apenas se inspirar, mas incorpora o trabalho de artistas de dentro da indústria do pop latino. A música ficou em 13º lugar no chart de vendas de músicas latinas da Billboard, marcando a primeira vez que um artista de K-pop apareceu em um gráfico latino.

O lançamento de “Lo Siento” precedeu as paradas da turnê mundial do “Super Show 7” do Super Junior na Argentina, Peru, Chile e México no mesmo mês, no qual Leslie Grace e Play-N-Skillz apresentaram seus próprios sets. Foi a série de concertos mais focada na América Latina, em meio a um influxo de muitos artistas coreanos que entraram no mercado; grupos mais novos, como o KARD e o Dreamcatcher, também investiram tempo na região. Leslie Grace também apareceu ao lado de seis membros do Super Junior na “KCON 2018 NY”, realizada em Newark, New Jersey, de 23 a 24 de junho, onde ela e o grupo falaram sobre o projeto.

Ambos, Super Junior e Leslie Grace, creditam a equipe de A & R (Artistas e Repertório) do grupo na SM Entertainment e sua subsidiária orientada ao Super Junior, o Label SJ, por reconhecer o potencial de uma colaboração entre o Oriente e o Ocidente entre o K-pop e o mundo latino. “Eu acho que os sons urbanos K-pop e latinos, e a música latina em geral, estão tendo um momento na música internacional que nós não vimos antes, ou não vemos há muito tempo, e ambos estão acontecendo, de certa forma ao mesmo tempo”, disse Leslie Grace, referindo-se à ascensão de ambos os gêneros no mundo da música de língua inglesa nos últimos anos. “Eu achei super legal o Super Junior e sua equipe e SM perceberem isso e perceber isso logo no início e dizer, ‘Ok, esses dois gêneros de música estão tendo um momento muito importante, vamos juntar tudo e fazer algo’”.

Como veteranos da indústria, Super Junior reconhece que a música coreana tem muito espaço para crescer na América Latina, onde já fez várias turnês no passado, mas nunca antes havia lançado uma música diretamente voltada para o público local. “Achamos que o potencial é enorme”, disse LeeTeuk. “É um mercado totalmente inexplorado e, embora a distância seja um pouco longa, se pudermos descobrir e de alguma forma garantir que nossos horários se encaixem, podemos continuar a fazer mais músicas e fazer mais para que o K-pop possa crescer no mercado.”

Como estrangeiros querendo atrair uma audiência localizada, Super Junior olhou para seus colaboradores como guias criativos e culturais. “Para as letras, a música, a dança, para tudo sobre o projeto, tentamos incorporar o máximo de informações possíveis para atrair uma cultura com a qual não estamos familiarizados”, disse ele. “A forma como isso aconteceu foi que enviamos a música para a equipe de Leslie, e depois eles responderam, editaram, adicionaram um pouco mais de brilho e batidas para que chegasse onde está agora por meio da colaboração.”

Tanto o Super Junior quanto Leslie Grace sugeriram que eles gostariam de adicionar mais concerto do “Super Show 7” em países que eles ainda não visitaram, e mais música focada no ritmo latino pode estar a caminho para o grupo coreano. “Não podemos compartilhar todos os detalhes, mas estamos preparando algo”, insinuou LeeTeuk.

Tentar entrar em novos mercados é uma marca perfeita para o Super Junior, já que sua carreira duradoura os conquistou em todo o mundo e os viu lançando músicas em pelo menos em cinco idiomas. “Queremos ser a ponte, queremos ser a base e os pioneiros do mundo se unindo através da música”, disse Choi SiWon. “Achamos que as pessoas estão sendo mais abertas e mais agradecidas por pessoas de diferentes raças e diferentes tipos de heranças, e isso é muito aparente em como as pessoas estão ouvindo música hoje em dia.”

Esta não é a primeira vez que SuJu, um apelido para o grupo, abriu caminho para uma nova região para o K-pop. Apesar dos colegas de agência BoA e TVXQ! passarem o início da década de 2000 abrindo caminho para a ascensão do K-pop no Japão, e o primeiro foi um dos primeiros a tentar atravessar a américa, foi o Super Junior que virou para o mercado de mais de um bilhão de dólares da China. Quando a equipe debutou em 2005, incluiu Han Geng, o primeiro membro chinês de um grupo K-pop, e mais tarde acrescentou mais dois falantes de mandarim, Henry Lau e ZhouMi, como membros subsidiários do Super Junior, o sub grupo Super Junior-M, hoje em dia, os membros chineses são uma norma nos grupos K-pop. (Han Geng deixou a equipe em 2009 e, após anos de inatividade no Super Junior-M, Henry  Lau recentemente deixou a gravadora do Super Junior, a SM Entertainment.)

Super Junior e seus sub-grupos também lançaram vários álbuns no Japão. Eles também são um dos grupos com as turnês mais lucrativas do K-pop.

“Esperamos ser os criadores de tendências”, disse ShinDong, referindo-se ao novo foco do grupo na América Latina. “Não estamos seguindo outras pessoas, estamos protegendo o que somos como Super Junior”.

Mais uma marca do que uma banda, a ideia do Super Junior projeta não só a carreira musical do grupo, mas também as carreiras adjacentes de seus membros individuais, que são muitos: Começaram com 12, mas no auge, 15 homens estavam sob o título Super Junior. Atualmente, oito estão participando ativamente da carreira do grupo, devido a partidas e hiatos por motivos pessoais e alistamentos militares obrigatórios da Coreia do Sul. Juntamente com seu trabalho na indústria da música, muitos dos homens aparecem regularmente no cinema e na televisão sul-coreana, atuam no teatro e na cena musical de Seul e se envolvem em uma variedade de outros empreendimentos de entretenimento e negócios. Como grupo, eles atualmente apresentam seu próprio programa de variedades semanal, o “Super TV”.

A natureza multidimensional do evento K-pop os ajudou a criar uma base de fãs dedicada, os ELF, ou Everlasting Friends, que fortaleceu a carreira do Super Junior ao longo dos últimos doze anos. “Acho que somos todos muito espirituosos, todos temos personalidade, somos todos muito diferentes e acho que isso atrai muitos seguidores em todo o mundo”, disse LeeTeuk. O grupo reconhece que o vínculo que eles construíram com os fãs ao longo da última década é um bem valioso para a carreira deles e apresenta músicas voltadas principalmente para os ELFs. O impulso para a América Latina depende em grande parte do fato de que eles têm uma audiência considerável e já feita no mercado relativamente inexplorado; estima-se que 50.000 fãs compareceram às quatro paradas de sua recente turnê latino-americana. A chance de explorar novos sons enquanto o ajustava ao que seus fãs gostariam de ouvir era uma oportunidade que se encaixava perfeitamente no Super Junior.

“Se você fizer uma comparação com as marcas de moda, começamos a apelar para as massas como a H&M, Zara e Uniqlo fazem”, explicou LeeTeuk, referindo-se aos primeiros anos da carreira do grupo onde a música foi feita para o público em geral, não necessariamente diretamente para seus fãs. “Mas estamos progredindo mais para ser uma Louis Vuitton, algo mais voltado para públicos específicos, com um pouco mais de classe. É este caminho que estamos seguindo”. E parece estar funcionando: “Lo Siento” é atualmente o videoclipe mais visto do grupo no YouTube desde “Mamacita”, de 2014, a primeira tentativa do grupo de incorporar o espanhol à sua música.

À medida que avançam, Super Junior pretende continuar criando música para os fãs que continuam a influenciar o futuro do K-pop, mas não divergem muito de sua identidade. “Não queremos copiar outras pessoas ou tentar fazer muitas coisas diferentes”, disse YeSung, um dos principais vocalistas do grupo. “Nós só queremos ter certeza do que o Super Junior está fazendo agora.”

Forbes | Tamar Herman @ TamarWrites
Tags: , ,
Compartilhe!

2 comentários

  1. Dea says:

    show! amei! Pra quem não conhecia foi uma ótima apresentação!

  2. Yara says:

    Obrigada pela tradução! Aliás, obrigada por todo o trabalho de vocês, sempre nos mantendo informados de tudo que se passa com o grupo. Vocês são show!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *